17 março, 2010

A culpabilidade dissimulada do povo brasileiro!

           Maquiavel, Italo-brasileiro, é Pinóquio.  

 

Quando se põe em questão os problemas sociais de nosso país a resposta dada é sempre um ato de legar aos políticos a culpa por tudo que há de errado com nosso organismo social interno.

No entanto esse legado de culpa que genericamente o setor político carrega em suas costas é fruto de uma tradição política corrompida moralmente. A repetição de atos corruptos por parte dos administradores desse setor da sociedade cobriu com uma manta falaciosa as verdadeiras raízes corrompidas de nossa sociedade.

Os meios de comunicação – que visam sempre um feedback (audiência) consistente de seu publico – apelam para o agrado popular. Outorgar à população a verdadeira face da corrupção não venderia.  Isso porque a face corrupta é o povo brasileiro.

A mídia no entanto, não arrisca mostrar a precariedade moral enraizada na formação do cidadão brasileiro, uma vez que feriria seu feedback – ninguém quer ouvir falar mal de si próprio –. O que faz então é noticiar ações corruptas por parte dos políticos, sob o pretexto de denuncia. Esse modo de agir – como já disse – mascara o problema real. Nesse sentido, grande parte da culpa cai sobre a mídia também, por propagar a falácia que melhor serve ao mercado.

Quando alguma responsabilidade - de fato - cai sobre o homem comum, essa é uma responsabilidade de ordem menor. Acredito que melhor do que discorrer sobre o que seria essa responsabilidade de ordem menor, mais fácil será expor a frase símbolo desse ato. - "O que mais preocupa não é o grito dos violentos, nem dos corruptos, nem dos desonestos, nem dos sem-caráter, nem dos sem-ética. O que mais preocupa é o silêncio dos bons". -

Tal enunciação é puro refugio ideológico daqueles que percebem a verdadeira culpa de seus atos e dissimulam a verdadeira natureza corrompida inerente em si sob a aprovação de ninguém menos que  Martin Luther King.

Tomado esse presuposto, diz-se dos “bons” que eles tem a culpa de eleger e se calar diante da corrupção política. Mas esse é o limite da culpa enunciada do povo. Nem a mídia, nem a população, nem tampouco alguns “ditos” intelectuais levantam as reais causas que levam à eleição deturpada de nossos representantes.

A verdade é que a formação do cidadão brasileiro é deficiente.

O que me trouxe a escrita desse texto foi algo que li na internet – numa comunidade do Orkut, mais incrivel por ser uma comunidade do George Orwell –.

O titulo do tópico era “ Vou roubar um livro...”. Entrei e li. Se tratava de um rapaz contando que ia roubar um livro – A revolução dos bichos –  da biblioteca de sua escola.

O resguardo ético do sujeito ante tal ação – criminosa –  era o pressuposto final da coisa toda.  Argumentava o rapaz que o estado do livro era deplorável e que havia ainda duas outras copias na biblioteca que ninguém jamais retirava. É o famoso tiro maquiavélico – os fins justificam os meios –.

Uma suspensão de juízo de valor – nos dias de hoje – é o tipo de coisa de que nossa sociedade não precisa. Independe o propósito final das coisas, o que está em voga é a discussão sobre o princípio da ação e nesse caso é um principio corrompido. O que é mais irônico aqui nesse caso é que Orwell próprio criticava ações deturpadas que enveredavam-se sob o argumento de supostas melhoras finais. Enfim...

O que mais me impressionou foi ver o apoio de grande parte das pessoas que comentaram. Coisa do tipo – vai la, rouba mesmo –. Li uns 20 comentários do tipo. É engraçado como o contexto afeta o julgamento. Isso é próprio do povo brasileiro.

Roubar é roubar, independente do que. Fosse um político o pessoal tava matando a pau. O principio, no entanto, é o mesmo.

Uma conclusão vem, finalmente, com tudo isso. O grande problema de nossa sociedade é a má índole de nosso povo que, dissimulado, titula isso como “jeitinho brasileiro”.

A verdade, por fim, é que o povo brasileiro é um povo preguiçoso e safado e que lança mão de argumentos contra os administradores do país – que operam também na mesma ordem de rompimento moral – outorgando à eles toda a responsabilidade por essa decadência.

A falência moral de nossa sociedade – enfim –  cai de forma equivocada sobre a cabeça da população como um ato culposo. O julgamento, no entanto, deveria ser na ordem do dolo.

 

12 comentários:

Leonardo Ribeiro disse...

Muito bom o post
Parabens

Amanda disse...

seu texto é muito bom, intelectualizado. Certamente, os políticos, não todos mas a grande maioria são uns corrompidos. Mas o povo, que de santo não tem nada, se acomoda a posição de ingênuo e pobre povo, a vítima.

Até mais! to seguindo.

www.ararutadoce.blogspot.com

Canto do Lufa disse...

Entendi exatamente o que quiz passar.

É como se fosse uma contradição.
Mas é um início de um desvio de mal caratismo. Esse desvio por mais que seja leve se tratando de um livro velho pode ser grave.

O problema muito bem exemplificado vem do início da formação do cidadão.

É bem mais grave do que parece é algo enraizado.

Rogerio disse...

interessante seu texto...se os políticos tem culpa;;;mas quem colocaram eles la?;;;

Macaco Pipi disse...

bela critica!!

mulherices disse...

Perfeito. Foi direto no alvo e eu partilho exatamente da mesma opinião há tempos.

Vou mais longe: a "mídia" aprendeu que os "patrões" (os políticos) mudam, mas os clientes (o povo) é sempre o mesmo.

Fato é que a média do povo brasileiro que, por qualquer coisa, critica os políticos, se estivesse no lugar deles, faria exatamente a mesma coisa - alguém duvida disso? Alguém acredita na "lenda" de que o brasileiro é um povo honesto?

Além do que, num regime democrático, os ELEITORES são, no mínimo, CÚMPLICES dos políticos corruptos que elegem e - muitas vezes - reelegem.

O atual presidente da república é um exemplo eloquente do padrão moral do eleitorado brasileiro: o espertalhão que deu certo - e o povo o admira por isso!

(Nosso artigo dessa semana também trata do assunto, venha nos visitar)

Marcus Abner disse...

Cada povo tem o governante que merece, os piliticos se revesam no poder mas quem permite isso? O povo! nós mesmos! Uma horda de ignorantes...

"O mestre disse: Pode-se induzir o povo a seguir uma causa, mas não a compreendê-la." (Confúcio)

semsabor disse...

Olha só,esse texto diz exatamente o que eu penso,muito legal encontrar pessoas que tbm compartilham a msm opinião,e a verdade é que ngm presta nesse mundo
SAHUAHUSSAHHAHUAHUAHS
to seguindo ;*

http://semsaboor.blogspot.com/

John disse...

critica muit bem feita. ;D

Vinícius disse...

Blog bem feito, os posts estão legais, parabens

http://silly--things.blogspot.com/ comenta aew!

Jamil Assis disse...

Grande Matheus do Rego. Sabia que por baixo daquele cara estranho tinha algo a mais.

Texto bom, outro nível de escrita, argumentação. E não tem como não concordar. Quem rouba, mesmo que seja um livro, uma bala ou faz uma transgressão, por menor que seja, e critica veementemente políticos corruptos, não merece o ar que respira.

Se bem que, pensando assim, o que falta pra sairmos desse buraco é um baita dum pulo.

Parabéns pelo Blog, mermão.

Administração disse...

Legal, Gostei Mais do Post Anterior
http://www.tvpornobr.blogspot.com/